segunda-feira, 15 de outubro de 2018

CE - Um pulinho ali em Paracuru pra ver "30R"

Lições de vida que aprendo durante minhas viagens.


Seguindo os conselhos de um grande jornalista e apaixonado incondicional da natureza, meu novo amigo Davi Abreu, de Fortaleza, vou continuar a escrever muito e sempre com o coração, porque quem se der ao trabalho de ler, vai conseguir enxergar bem mais do que um simples relato informativo de viagem. Vai me conhecer um pouco mais porque o que escrevo é o reflexo do que sou. Então vem comigo pra mais uma aventura letrada.

os "Humanlifers" como diz meu amigo Anderson Sandro de Xinguara/PA

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

PA - Carajás e suas lindas aves

Essa expedição para Parauapebas, região de Carajás, estava prevista fazê-la já fazia um bom tempo. Acho que desde 2016 quando recebi um convite de amigos e não tive como ir. Sabia que tinha bichos bacanas pra ver por lá, mas sempre vinham outros compromissos que impediam a sua realização. Aos poucos ela foi tomando corpo e finalmente aconteceu.


Todos que me conhecem sabe que eu adoro curtir três momentos de uma viagem: o antes, o durante e o depois. Desde os primeiros contornos, o planejar, o sonhar, e depois materializar tudo isso, até tratar as fotos e escrever o relato sobre o dia-a-dia da viagem.

É difícil falar de uma expedição sem lembrar os momentos que a antecederam. Essa viagem à região de Carajás/PA, que começou dia 02/08/2018, era tipo uma "viagem gezuismeodeozmesalva", sem roteiro predefinido, aliás sem quase nada definido, o que me angustiou até o último momento antes de entrar no avião. Cheguei a pensar em cancelar. Mas quem conhece minha teimosia, sabe que eu ia “pagar” pra ver. Ignorar, deixar quieto, "xápralá", é o que de melhor podemos fazer nessas horas. Tinha tudo pra não dar certo. Mas antes que você desista de ler, saiba que essa foi uma das melhores viagens que já fiz.

quinta-feira, 26 de julho de 2018

PA - Expedição Mãe-de-taoca-arlequim - De Santarém à Itaituba no Pará

Embora com atraso, segue o relato, que estava escrito pela metade, sobre a "Expedição Mãe-de-taoca-arlequim",  realizada no período de 31/10 a 12/11 de 2017.  Em geral demoro 7  a 8 dias para finalizar um post de viagem, desta vez foram 7 ou 8 meses ... apenas...rs rs rs


mãe-de-taoca-arlequim (Rhegmatorhina berlepschi

Quando surgiu a ideia de passarinhar pelo Pará, a “moda” no meio era ir para Parauapebas, desejo que ainda irei realizar em 2018. Conversando com o amigo ornitólogo Pablo Cerqueira (Pinima Birding Brazil) , durante o Avistar 2017, falamos sobre o endemismo Belém e sobre Santarém/Itaituba. Sabe aquele friozinho na barriga que dá só de imaginar conhecer um lugar pouco explorado das nossas florestas, pois é, foi o que senti na hora. Pedrinhas de gelo pareciam saltitar atrás do meu umbigo. Minha câmera foi dominada por um assanhamento sem fim. Todo dia eu era obrigada a ouvi-la dizer: “E aí, mamis, decidiu quando vamos?” rs rs rs

sábado, 9 de junho de 2018

Como ser e viajar mais leve. Da teoria à prática.

Hoje quando terminava de arrumar mais uma mala de viagem, “viajei em pensamentos” ... passei, como num filme, pelos vários momentos de transformação que eu sofri com o passar dos anos. E isso se refletiu até no meu modo de arrumar mala para viajar. Meu coração ficou mais leve, embora o corpo mais pesado kkkkkk. Ainda bem que a mala acompanhou o coração.



Eu me recordo da época que eu ia viajar a trabalho (Caixa Econômica/MZ - Brasília), mesmo que fosse para ficar um dia, eu tinha que levar uma mala com pelo menos dois a três pares de meias finas, pares de sapatos extra, várias roupas que combinassem e um monte de tranqueira. As unhas, sobrancelhas, cabelos, tinham que estar impecáveis. Eu vivia estressada para dar conta de tudo. Com agenda de trabalho lotada, pouco tempo sobrava para diversão. O resultado foi um assustador AVCi. Hoje, felizmente, 99,9% superado.

domingo, 3 de junho de 2018

SP - Passarinhando com os amigos pós-Avistar 2018

Esse ano, como eu disse no post anterior, recebi quatro amigos em casa que vieram para participar do Avistar Brasil. A Jeanne Martins Nascimento (Cuiabá/MT), grande amiga e irmã de coração de longa data (nos conhecemos ano passado em abril, mas tenho certeza que essa amizade transcende encarnações, pois sinto que a conheço a muito tempo), o Gabriel Bonfá, capixaba de Linhares, que foi meu grande parceiro no 1º Birding Photo Challenge, promovido pela Reserva Natural Vale e os mineiros Luiz Fernando Matos (que hoje reside em Canaã dos Carajás/PA) e Fábio Morais Giordano (BeHagá) que eram amigos virtuais e se tornaram amigos na vida real desde então.

Para mim essa foi a foto da viagem toda. Tem coruja, lua, então tem poesia. 
A coruja e a lua
"A coruja despertou, cantou a beleza da lua na noite clara que se formou.
O dia era passado, passado também foi o seu amor, 
pois, a lua se havia minguado com medo de sentir dor. 
Pobre lua...Não sabe que a coruja lhe segue fase por fase, 
temendo que se esconda ou  fuja pelas esquinas que dobram ruas nas movimentadas cidades...
Mas a lua segue em sua sina rodando o mundo que roda também, 
Ilumina a noite e a todos fascina mas sua liberdade não dá a ninguém. 
Chora a coruja em seu canto noturno, pois, sabe que ama o amor que não tem..."(autoria: Aisha)

Minha missão pós-Avistar era acompanhá-los em uma passarinhada por alguns dos meus lugares preferidos do Estado de São Paulo. Preparei um roteiro com muito carinho e esmero para que vivessem momentos inesquecíveis. Troquei ideia com os guias, recebi indicações de amigos, pesquisei hotéis, estudei os trajetos e finalmente cheguei num roteiro factível e que pudesse encantá-los.

terça-feira, 29 de maio de 2018

SP - Avistar Brasil 2018

O Avistar Brasil é o maior encontro de observadores de aves das Américas, reunindo num só espaço ornitólogos, fotógrafos, ornitófilos, biólogos, enfim, todos aqueles que amam as aves e a natureza. Acontece uma vez por ano no Ibutantan/SP. Conta com diversas atrações: entre elas muitas lojinhas de produtos de interesse dos observadores, estandes com informações sobre destinos para passarinhar, workshops, palestras, cursos e atividades para todas as idades. Das treze edições participei de seis. Duas delas como palestrante solo. Nas demais com o quadro das Birding Ladies, onde conto com amigas para montar a apresentação.


O mais gostoso do Avistar é o reencontro com os amigos. Muitos dos que conhecemos só pelas redes sociais, acabam se tornando amigos de "carne e osso". Os três dias passam muito rápido, nem sempre conseguimos participar das atividades que nos interessam, já que muitas são simultâneas. Mas todos os momentos somam conhecimento e trocas. E é isso que conta.

domingo, 1 de abril de 2018

1° de abril - Dia da mentira - #sóquenaum

Hoje é um dia muito especial. Sim é comemorada a Páscoa! Feliz Páscoa para todos. Mas não é só por isso. É um dia que eu pensava que nunca chegaria. Que a minha lista de espécies de aves fotografadas ultrapassasse todas as barreiras que eu julgava impossível. 


Os 20 primeiros colocados no Wikiaves

É um dia que eu teria que fazer uma lista gigantesca das pessoas que me ajudaram a chegar aonde cheguei e agradecer um por um. Praticamente impossível. Por isso, sem incorrer em risco de esquecer ou desmerecer alguém, eu irei apenas mencionar os responsáveis pela chegada na reta final, ocorrida durante a última expedição que se encerrou na segunda próxima passada. Em breve essa viagem será minuciosamente relatada aqui no bloguinho.

Fotos feitas em Roraima e Amazonas
🚫 All rights reserved. Don't use without express authorization.

segunda-feira, 5 de março de 2018

A rolinha da esperança (Columbina cyanopis)

Desde que o ornitólogo Rafael Bessa divulgou seu fabuloso encontro ocorrido em junho de 2015 com a Rolinha-do-planalto (Columbina cyanopis), espécie criticamente ameaçada de extinção e que ficou 75 anos sem registros e por isso já figurava como provavelmente extinta na natureza, fiquei esperando e sonhando com o momento em que eu iria registrá-la. (leia um resumo da história do Rafael aqui

Rolinha-do-planalto (Columbina cyanopis)

Sabia que seria uma emoção muito forte, que ia demorar até que toda estrutura fosse montada para sua proteção, uma vez que era sabido que elas viviam num paraíso muito frágil. Após árduo trabalho, a SAVE Brasil (Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil) conseguiu adquirir a área onde as rolinhas vivem atualmente. Elas agora têm uma reserva com seu nome. Graças a uma parceria da SAVE Brasil com a Rainforest Trust, uma área de 593 hectares foi adquirida para proteger os campos rupestres, habitados pela espécie.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

As duas primeiras passarinhadas de 2018 - Dourado e Itatiaia

Preâmbulo

Resolvi relatar as duas primeiras passarinhadas deste ano num único post. A primeira foi pra Dourado/SP (de lá à Mineiros do Tietê e Olímpia) com o guia e amigo Cal Martins. A segunda para a região de Itatiaia (de lá à Angra dos Reis e Paraty) com o guia e amigo Hudson Martins Soares.

Fotos: by Cal Martins e Hudson Martins Soares

Ambas finalizadas com o sucesso esperado. Uma longa caminhada começa com o primeiro passo, já dizia o pensador Lao-Tsé. Estou muito feliz de partir das 1400 espécies fotografadas em direção às 1500, número que pretendo atingir até 31 de dezembro deste ano, preenchendo com um X a lista de aves do CBRO* (v. 2015) que totaliza 1919 espécies, destas apenas 1871 fotografadas e postadas no site Wikiaves. A próxima lista deve aumentar  muito devido ao número de subespécies que alcançarão o estatus de espécie plena.

*O CBRO reconhece no Brasil 1919 espécies, das quais 30 carecem de documentação física e constituem a lista secundária.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Espírito Santo - 1º Birding Photo Challenge


O verdadeiro espírito birdwatching (foto Léo Merçon)

Nem tudo são flores na observação de aves, ainda mais quando o evento é competitivo. Só que não. Quando fui convidada pelo Gustavo Magnago para participar do 1º Birding Photo Challenge fiquei com muita vontade de ir, mas fiquei logo imaginando como seria isso na prática.

Eu sou daquelas que “adora” uma competição - bem longe de mim. Embora eu adore me superar, superar meus medos e barreiras e enfrentar desafios, não gosto de competir com outras pessoas.

A vida já é uma eterna competição pela sobrevivência. A gente já nasce competindo pelo carinho dos pais. Durante boa parte da nossa juventude passamos competindo pra vencer. No meu caso, joguei volei durante mais de 15 anos, atividade altamente competitiva e desgastante. As "migas" crescem juntas competindo pelos melhores "boys magias" do pedaço e vice-versa. (rs rs rs) Depois passamos anos e anos no trabalho. Particularmente a competição acirrada no trabalho quase me custou a vida (tive um AVCi por estresse e excesso de trabalho). Infelizmente poucas vezes nos ensinam que compartilhar é melhor do que competir.