sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Parque Estadual Intervales

Vou começar falando um pouquinho do Parque e se alguém quiser mais informações, deixo links no final para que possam ser obtidas facilmente. Os pulmões do Estado de São Paulo ficam a 270 km da capital e recebem o nome de Parque Estadual Intervales.

Sobre o Parque Estadual Intervales

O Parque Estadual Intervales localiza-se no sul do Estado de São Paulo, entre os municípios de Ribeirão Grande, Guapiara, Sete Barras, Eldorado e Iporanga. Juntamente com o Parque Estadual Carlos Botelho, a Estação Ecológica do Xitué e o Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR) constituem a maior área contínua de mata atlântica do Brasil. A denominação Intervales possui o significado de “entre os vales”, correspondendo aos rios Ribeira de Iguape e Paranapanema.

Predomina a Mata Atlântica, Florestas Ombrófila Densa, Ombrófila Mista e Estacional Semidecidual. O Parque localiza-se no município de Ribeirão Grande SP. O melhor roteiro para chegar ao parque tem início na Rodovia Castelo Branco - SP 280, que deve ser percorrida até o km 129. Nesse ponto, entrar no acesso para Tatuí, seguindo pela SP 127 até Capão Bonito e, depois, pela SP 181 até Ribeirão Grande. A partir daí, percorrem-se 25 km por estrada de terra bem conservada até a entrada do Parque. Fica a 270 km de São Paulo.

Parque
Eu fui com um grupo especificamente para observar aves, constituído pelo guia birdwatching Rafael Fortes, pelas amigas Rosemarí Júlio, Hideko Helena Okita, e pelos novos amigos Flávio Sakae, André Silva, Kleber Silveira e Luiz Augusto.
Parte do grupo na trilha
Eu por Rosemarí Julio
O que fazer por lá

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Fazenda Bacury e Tanquã - dois paraísos no interior de São Paulo.

Todo final de ano o amigo Luciano Monferrari organiza uma excursão do CEO para o Tanquã (Piracicaba/SP) e Fazenda Bacury (Anhembi/SP). O Tanquã é a parte superior do lago formado pelo Rio Piracicaba em função da barragem de Barra Bonita. Tem as mesmas características do Pantanal Mato-grossense. Seu acesso é feito pelo bairro do Tanquã, na estrada que liga o município de  Piracicaba a Anhembi (SP - 147). Fica distante uns 60 km de Piracicaba e 17 km da Fazenda e Pousada Bacury.

Foto: Tanquã por Silvia Linhares
A Fazenda Bacury é antiga, tem 80 anos de história para contar. Possui belas matas onde habitam aves raras como o patinho-gigante e a juriti-vermelha, que eu ainda não tive a sorte de avistar. Apesar de ser utilizada para a pecuária, foi adaptada para receber turistas. A antiga sede foi transformada em uma deliciosa pousada com decoração rústica e de bom gosto. Você terá opções de se hospedar com mais ou menos sofisticação, dependendo do seu bolso: pode escolher entre a Pousada Sede e a Pousadinha.

domingo, 26 de maio de 2013

Resultado 6º Concurso Avistar Brasil - Fotografias de Aves 2013


O Concurso Avistar Brasil 2013 escolheu as fotos mais bonitas das aves brasileiras. Foram mais de 6000 fotos inscritas. O concurso ainda premiou a melhor sequência (mosaico) de fotos e melhor vídeo. Contou com votação popular (Vox populi) e com os jurados Arthur Grosset, Arthur Morris, Edson Endrigo, Hilton Ribeiro, Jarbas Agnelli, Luís Fábio Silveira, Mathew Shirts, Millard Schisler, Pedro Develey e Roberto Linsker.

A todos os que participaram deixo os meus parabéns. Espero que no próximo ano o número de observadores de aves no Brasil dobre e que venham muito mais fotos e vídeos lindos como esses.

Silvia Linhares


Foram várias categorias as quais postaremos as vencedoras abaixo: 

Melhores fotos

1º Lugar -  Tomas Brugger - "Garças"
Garça-branca-pequena (Egretta thula)
2º Lugar - Laizer Mayer Fishenfeld - "Pra concurso"
Beija-flor-preto (Florisuga fusca)
3º Lugar - Mike Bueno - "Banho de colhereiro"
Colhereiro (Platalea ajaja)

quarta-feira, 13 de março de 2013

A moda sai de moda, o estilo jamais. (Coco Chanel) ... E por falar em moda...


Seriema (Cariama cristata) - por Silvia Linhares
Você deve estar perplexo ao ler um título desses num blog que trata de passarinho o tempo todo. Sim, mas não é qualquer moda ou estilo, é sobre "bird watchers girls" ou meninas observadoras de aves.

Este texto tem uma razão para o seu surgimento - as lindas camisetas estampadas com aves coloridas, lançadas pela Hering, cujos nomes das aves estão errados e a roda sobre Mulheres Observadoras que o Guto Carvalho vai lançar no Avistar 2013. Rolou muito papo no Facebook em torno do assunto e a Cláudia Komesu (que sempre pensa em tudo) sugeriu um post.

Quando eu penso em moda e aves, eu lembro logo da Seriema (Cariama cristata) a Gisele Bündchen da avifauna, em decorrência da sua aparência: baton, maquiagem nos olhos e longas pernas.
 
Eu não sou a melhor pessoa para falar de moda, porque nunca dei a mínima para isso. Minha moda eu sempre inventei, adaptando-a às diversas fases da minha vida. Dos onze anos até o final da minha adolescência, meu modo de vestir acompanhou minha atividade esportiva. Eu jogava volei e tudo que eu pensava eram tênis adequados à prática (o Tiger e o Mizuno eram objetos de sonho), meinhas e shortinhos combinando. Meu guarda roupa tinha shorts e camisetas de montão, e alguns "abrigos", hoje chamados de "agasalhos ou moletons".

Nunca liguei para grife ou modismo. Mas o conforto sempre falou alto. A fase mais, digamos "elegante", deu-se quando morei em Brasília. Foram quase 15 anos usando salto, meia fina e conjuntinhos de saia e blazer. O meu trabalho na matriz da empresa assim o exigia. Adorava as sextas onde eu podia ir de calça jeans, mais à vontade...combinava mais com o meu estilo.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Feitiço de penas...

Ao ser convidada pela Claúdia Komesu para compartilhar um momento mágico no Virtude-ag, como por exemplo: “A aparição de uma ave rara, alguns segundos ou minutos podendo observar bem de perto alguma ave ou outro animal, uma luz muito especial, o olhar do bicho, e mesmo fotos ruins, mas que o autor sabe do valor.”, pensei cá com meus botões: - eu não tenho nenhum momento prá lá de especial e nem vou conseguir falar de um momento único, pois prá mim, todo encontro com aves é único e mágico. Além disso, eu me emociono muito fácil (sou daquelas que chora até em inauguração de supermercado rs rs rs rs rs).

A vida para mim já é uma magia e ter sobrevivido a um AVCi na flor da idade já é mais do que mágico, é milagroso. A inclusão das aves no meu mundo foi algo pra lá de espetacular, foi um divisor de águas, pois encontrei tanto sentido nisso que nem tenho palavras que consigam traduzir esses sentimentos.

Resumindo: o fato de eu ter me apaixonado pelas aves é o momento mais mágico de todos.

Simplesmente fiquei enfeitiçada. Esse feitiço começou a se apoderar de mim quando visitei uma ilha com milhares de pinguins na Patagônia em março de 2010...acho que no intervalo de uma hora e pouco (tempo que ficamos em terra na Ilha Magdalena) eu fiz mais de mil fotos desses minúsculos sujeitinhos. Eu tinha vontade de pegá-los no colo, igual bicho de pelúcia e trazer para minha casa. Nessa época eu nem era ornitófila, e minha estada na Patagonia foi simplesmente para fazer fotos turísticas para uma revista (pasme) de automobilismo chamada Cavallino.

Pingüim-de-magalhães (Spheniscus magellanicus)
- Magellanic Penguin
Isla Magdalena - Patagonia Chilena
Pingüim-de-magalhães (Spheniscus magellanicus)
- Magellanic Penguin
Isla Magdalena - Patagonia Chilena
Eu, babando - by Camila Maluf
Pingüim-de-magalhães (Spheniscus magellanicus)
- Magellanic Penguin
Isla Magdalena - Patagonia Chilena

sábado, 16 de fevereiro de 2013

O famoso Gavião-de-penacho do PETAR

O famoso Gavião-de-penacho do PETAR (Spizaetus ornatus)

Quer saber mais sobre esse lugar? Veja aqui 
 
Mas antes assista o vídeo abaixo.

Baixe o Adobe Flash Player 

Fonte: Terra da Gente

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

A Flórida tem natureza exuberante e muitas aves lindas!

Colhereiros (Platalea ajaja) - Roseate Spoonbill e outros em Merrit Island National Wildlife Refuge
Já faz um ano que fui, aff - como passou rápido! No final de 2011, eu e meu marido decidimos ir para a Flórida / Estados Unidos, tendo como foco assistir as "24 horas de Daytona" (corrida de automóveis de longa duração) em janeiro de 2012. Conhecer um super-autódromo sempre foi um dos meus sonhos. Planos projetados, passagens compradas, reservas feitas, malas prontas, lá fomos nós. Chegamos em Miami no dia 25/01. E antes que a sequência de acontecimentos comecem a sumir da minha cabeça, melhor contá-los aqui.

Antes de ir, comprei um Guia Visual da Folha de S.Paulo sobre a Flórida, contendo as principais atrações e dicas. Devorei e em pouco tempo já tinha assinalado os lugares que gostaria de conhecer, óbvio que todos continham a palavrinha "aves". Eu tinha muitos planos para passarinhar na Flórida, mas como não falo inglês nem espanhol, sair sozinha estava fora de cogitação. Apesar dos interesses diversos do meu marido, que não incluiam aves, ele me acompanhou aos lugares que pedi para fotografar os "penosinhos".