domingo, 15 de agosto de 2021

TO - Conhecendo as aves do Tocantins II

Essa foi minha segunda viagem ao Tocantins. A primeira, em 2015, você pode saber como foi acessando por esse link. A que vou descrever nesse post aconteceu em 2019, de 04 a 12 de agosto. 

Desta vez fui convidada pelo amigo Raimundo Carvalho. Eu já o conhecia de Parauapebas / Carajás onde havia passarinhado em 2018 (link aqui). Ele veio de Carajás de carro e nos encontramos em Palmas. Ao todo foram oito dias intensos, de muitos passarinhos e muita diversão. Nosso guia foi o já conhecido amigo Marcelo "Bravo MDMC" Barbosa (Missão Dada, Missão Cumprida). Se você leu a minha primeira ida ao Tocantins, vai entender esse apelido. 

04 ago 2019 - Domingo

Já estava tudo previamente combinado entre eles dois e então, no dia 4 foi só ir pro aeroporto, uma pequena conexão em Brasília e logo lá estava eu com os dois me esperando com uma geladinha para abrir "os trabalhos". Veja abaixo uma "selfie" durante a conexão, minha saída de Brasília, cidade que morei tantos anos e que ainda me emociona quando piso em seu solo e a primeira cervejinha com a dupla já em Palmas.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

05 ago 2019 - Segunda-feira

Segunda-feira! Que comecem os trabalhos! Às 6 da manhã já estávamos na estrada. Nosso destino: Cachoeira da Roncadeira no Taquaruçu. Alguns minutos depois que saímos do hotel, paramos numa padaria para o costumeiro e necessário cafezinho. 

Logo depois entramos e paramos numa estradinha com um lindo cerrado, onde, se não me falha a memória, eu retornei ao carro para buscar algo e me perdi dos meninos que tinham adentrado a mata atrás de algum passarinho. Eu sentei na beira da estrada enquanto aguardava e fiquei clicando o amanhecer. Uma das fotos rendeu um lindo poema (link para o poema aqui).

"A luz que me ilumina"
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Raimundo estava muito feliz com  o registro de muitas novas espécies e eu feliz por conseguir fazer foto muito bonita de um lindo Veado-Campeiro (Ozotoceros bezoarticus). Além disso, fiz fotos sensacionais da bandoleta (Cypsnagra hirundinacea). Para quem não sabe, o cerrado é meu bioma preferido e a luz iluminando sua vegetação é sempre a mais bela de todas, o que culminou por gerar o mencionado poema.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Depois de um tempinho, fizemos as primeiras fotos da gente em campo e seguimos para a Cachoeira da Roncadeira. Lugar que eu já conhecia, mas que não deixa de surpreender por sua beleza e diversidade.

Marcelo, eu e Raimundo
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Na cachoeira fiz os registros da choquinha-lisa (Dysithamnus mentalis), bico-chato-de-orelha-preta (ssp mixtus - Tolmomyias sulphurescens), gaturamo (Euphonia violacea) e chorozinho-de-chapéu-preto (Herpsilochmus atricapillus). Veja abaixo as fotos na sequência conforme eu mencionei aqui.

choquinha-lisa, bico-chato-de-orelha-pretagaturamo chorozinho-de-chapéu-preto 
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Descer até a cachoeira foi fácil, subir é que foram elas. Quase que os meninos precisaram de uma corda pra me puxar lá de baixo ... cheguei no topo sem fôlego nenhum. Mas ainda bem que foi por escada. Imagina se fosse por cima de mato e pedras.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Após essa árdua subida, Marcelo nos levou até o Hotel Fazenda Ecológica, onde depois de tomarmos uma geladinha, almoçar e descansar um pouco, fomos explorar as aves da mata local.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Tivemos uma convidada de honra para a nossa mesa: a Carlota. A Carlota é uma fêmea de curica (Amazona amazonica) que foi acolhida na Fazenda. Ela e seu par dormiam ao redor da sede até que o macho do casal foi predado por um macaco. Como os psitacídeos são monogâmicos, a Carlota, talvez devido à sua solidão e por medo de ser predada também, sem pedir licença, começou a dormir na varanda da casa da sede da Fazenda. 

O pessoal da Fazenda passou a dar alimentos e assim ela foi se acostumando à presença humana e não quis mais sair do entorno da Fazenda, embora sua liberdade nunca tenha sido cerceada. Fica o tempo todo andando de um lado para o outro, vai e volta da mata ao redor, mas prefere se aconchegar nas mesas do restaurante. Dengosa até dizer chega, adora receber um carinho dos funcionários e dos hóspedes. Acredito que ela se divertiu muito com a gente e a gente com ela.

Carlota, eu e Raimundo
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Após o descanso, fomos caminhar em volta e demos de cara com uma boipeva-de-Merrem (Xenodon merremii). É uma espécie de serpente não-peçonhenta. Atinge cerca de um metro de comprimento. Alimenta-se basicamente de anfíbios anuros, especialmente sapos (gênero Rhinella), sendo imune ao veneno produzido por eles. Como não possui peçonha nem realiza constrição (ato de se enrodilhar em torno da presa, matando-a por asfixia), a boipeva-de-Merrem simplesmente devora seu alimento vivo.

Meu amigo Felipe Riente foi quem identificou para mim. Ele disse: é uma serpente agressiva, mas não venenosa! É inofensiva. É uma Xenodon merremii, da família Dipsadidae. É também conhecida pelos nomes de achatadeira, cobra-chata, boipeva (que significa "cobra achatada". Em língua tupi, através da junção dos termos mboîa ("cobra") e peb ("achatado"), boipeba, cabeça-chata.

boipeva-de-Merrem (Xenodon merremii)
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Fizemos uma rápida exploração pelas cercanias e registrei algumas aves muito bacanas, como a pipira-vermelha (Ramphocelus carbo), pica-pau-de-barriga-vermelha (Campephilus rubricollis), arapaçu-grande (Dendrocolaptes platyrostris), tico-tico-de-bico-preto (Arremon taciturnus), sabiá-branco (Turdus leucomelas) e coró-coró (Mesembrinibis cayennensis), conforme fotos abaixo.

pipira-vermelha, pica-pau-de-barriga-vermelha, arapaçu-grande
tico-tico-de-bico-preto, sabiá-branco coró-coró 
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Para encerrar o dia, nós demos uma paradinha na volta no mesmo cerrado do início da manhã. Nosso alvo principal  era encontrar o campainha-azul (Porphyrospiza caerulescens). E conseguimos. Fizemos fotão do bichinho e de brinde ainda registramos o suiriri-da-chapada (Suiriri affinis). 

campainha-azul e suiriri-da-chapada 
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Após apreciarmos um pouco a paisagem, fazer a "selfie" de costume, retornamos "à cidade" para finalizar o dia.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Eu, Marcelo e Raimundo
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Depois desse longo dia, nada como um bom descanso depois de preparar tudo para o dia seguinte. Fiquei foi com dó do meu amigo Raimundo, que chegou no Tocantins com a garganta inflamada e com febre, e mesmo assim não reclamou um minuto sequer. Nada que um antitérmico, um pouco de própolis e mel e uma pastilha não o ajudassem a melhorar. 

Confira as listas do dia no eBird

Seg 5 ago 2019 - 07:13h - Taquaruçu
https://ebird.org/checklist/S58778239

Seg 5 ago 2019 - 08:30h - Taquaruçu--Cachoeira da Roncadeira
https://ebird.org/checklist/S58778288

Seg 5 ago 2019 - 11:58h - Fazenda Ecológica
https://ebird.org/checklist/S58778314

Seg 5 ago 2019 - 17:40h - Taquaruçu
https://ebird.org/checklist/S58778357

06 ago 2019 - Terça-feira


No segundo dia, nossa passarinhada começou bem cedinho. Tomamos café na conveniência de um posto de gasolina e por volta das 7 da manhã já estávamos no mato nas cercanias da cidade de Miracema do Tocantins. 

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Morrendo de peninha, eu ofereci ajuda para levar o equipamento do Raimundo, uma vez que ele ainda não estava restabelecido da forte gripe que o acometera. Eu até tentei, mas "deosolivre", não sei como ele aguenta, eu mal consegui erguer o tripé do chão. 

Além do "trambolhão" (apelido que eu dei ao seu conjunto maior de tripé/câmera/lente), ele ainda carrega uma câmera menor pendurada no ombro para situações onde não é possível usar a grande.

Eu e o "trambolhão" by Raimundo Carvalho

os meninos registrando alguma ave
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Nesse dia destaque para as seguintes aves: chora-chuva-preto (Monasa nigrifrons), curió (Sporophila angolensis), vite-vite-de-cabeça-cinza (Hylophilus pectoralis), chorozinho-da-caatinga (Herpsilochmus sellowi), pica-pau-do-parnaíba (Celeus obrieni) e irré (Myiarchus swainsoni). 

Algumas delas era a primeira vez que meu amigo Raimundo registrava. Para mim nenhuma era novidade, mas o reencontro muitas vezes é mais prazeroso e tranquilo do que o primeiro encontro.

chora-chuva-pretocurió, vite-vite-de-cabeça-cinzachorozinho-da-caatinga, 
pica-pau-do-parnaíba
 e irré 
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Depois seguimos para a cidade de Porto Nacional, onde eu me realizei fazendo fotos bonitas do charmoso mineirinho (Charitospiza eucosma). Finalmente eu podia dizer que tinha foto de quadro dele.

mineirinho (Charitospiza eucosma)
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Aí você quer fazer uma foto do grupo, mas o grupo não te leva a sério e fica "tirando onda" com a sua cara. Funciona assim: vc coloca o celular num apoio, programa o self-timer para 5 segundos, chama todo mundo, pede um sorriso e aciona o modo três cliques consecutivos. 

Aí descobre que a lente não focou e ainda por cima tinha um galho na sua frente. Você pede paciência, limpa a lente, tira o galho e pede para todo mundo fazer pose de novo. Aí a "zueira" começa. E quando depois da décima milésima foto, tá todo mundo alinhado e olhando para a lente sorrindo, descubro que não gostei do resultado e peço outra. 

E antes que eu tome nas "zoreias" kkkkkk eu já aviso que é uma última tentativa e digo um "Sorriam". Ufa! Não é que deu certo...ou pelo menos quase! kkkkkkkkk

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Cansados de mais um dia quente e preocupada com a saúde do Raimundo, retornamos ao hotel, jantamos e fomos descansar cedo.

Confira as listas do dia no eBird

Ter 6 ago 2019 - 08:14h - Miracema do Tocantins
https://ebird.org/checklist/S58964125

Ter 6 ago 2019 - 17:39 - Porto Nacional
https://ebird.org/checklist/S58964160

07 ago 2019 - Quarta-feira


Retornamos ao Taquaruçu nesse dia e Marcelo sugeriu iniciarmos pelas matas da Fazenda Ecológica. Um pouco mais tarde, assim que abrisse, a gente iria até a Cachoeira da Roncadeira para tentar uma espécie que eu desejava muito ver: o vira-folha-de-peito-vermelho (Sclerurus macconnelli)

Assim que entramos na densa mata da Fazenda Ecológica, um udu (Momotus momota) fez pose para nossas lentes. Um arapaçu-grande (Dendrocolaptes platyrostris) não quis deixar por menos e resolveu também fazer bonito. 

udu e arapaçu-grande
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Assim que chegamos na Cachoeira, focamos na busca do Vira-folha-de-peito-vermelho (Sclerurus  macconnelli). Bichinho complicado, difícil de encontrar, mais difícil ainda de ver e de fazer foto, pois gosta do escuro e é da cor dos troncos. 

Eu segui devagar, deixando os meninos andarem na minha frente enquanto eu pensava no sujeitinho que teria que registrar na densa mata que me cercava. Aliás, ressalte-se: Marcelo anda rápido demais, parece paulista kkkkkkk. Toda hora eu tinha que pedir a ele pra ir mais devagar, ainda mais nas subidas.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Mas como eu disse no início, com o Marcelo é assim: Missão Dada, Missão Cumprida. Vira-folha-de-peito-vermelho checked. Só posso agradecer o carinho e paciência dos dois amigos durante essa divertida e deliciosa busca.

 Vira-folha-de-peito-vermelho
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Ainda avistamos e registramos um lindo uirapuru-laranja (pipra fasciicauda) e um bando grande de saí-andorinha (Tersina viridis).  

 uirapuru-laranja e saí-andorinha
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

A felicidade era tão grande, mas tão grande, embora com todo o cansaço que eu estava sentindo, fiz questão de descer até a cachoeira para fazer uma selfie. Fui registrar o momento com ela atrás de mim para guardar de lembrança, eis que chega um penetra, depois outro, e ainda bem que eram só dois, pois duvido se iria caber tanta gente no perímetro da lente do meu celular.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

O almoço e o descanso foi na Fazenda Ecológica, onde a curica Carlota roubou a cena mais uma vez. Ela já se achava íntima da gente e queria dengo o tempo todo.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Depois de um descanso básico, com direito à soneca na rede, ainda aproveitamos a tarde para clicar alguns bichinhos, inclusive um bichinho clicou o outro kkkkkk

Silvia by Raimundo - Raimundo by Silvia

Foram poucos os destaques da tarde, mas bem interessantes. A bela gralha-cancã (Cyanocorax cyanopogon) se alimentando de flores vermelhas foi um show à parte. E ainda vimos um inhapim (Icterus cayanensis), um chora-chuva-preto (Monasa nigrifrons) e um pequenino cabeçudo (Leptopogon amaurocephalus).

gralha-cancã, inhapim, chora-chuva-preto e cabeçudo 
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

No retorno à cidade paramos novamente na área de cerrado, mas com o forte calor que fazia, nenhuma ave quis dar o ar da graça para a gente fazer um clique. Então eu registrei o papo dos dois meninos e chamei eles pra irmos embora. Vai saber o que eles estavam falando kkkkkkkkkk

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Confira as listas do dia no eBird

Qua 7 ago 2019 - 07:18h - Fazenda Ecológica
https://ebird.org/checklist/S58964182

Qua 7 ago 2019 - 09:40h - Taquaruçu--Cachoeira da Roncadeira
https://ebird.org/checklist/S58964225

Qua 7 ago 2019 - 14:25h - Fazenda Ecológica
https://ebird.org/checklist/S58964247


08 ago 2019 - Quinta-feira


Café no hotel às 7. Em seguida saída para o lugar que eu sempre sonhei conhecer: o Centro de Pesquisa Canguçu que fica no município de Pium. E lá fomos nós: Marcelo pilotando tendo Raimundo ao seu lado como navegador e eu como "zequinha" no banco de trás (ref. às provas de rally). 

Boca fechada é a primeira lei do bom 'zequinha', afinal, a comunicação entre piloto e navegador não pode ser comprometida. E seguindo essa lei, eu passei quase toda viagem dormindo. Ah! o navegador também kkkkkkkkkk

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Foram mais de 250 km até lá. Esse maravilhoso local situa-se às margens do Rio Javaés, braço do rio Araguaia, quando este se bifurca para formar a maior ilha fluvial do mundo, a ilha do Bananal. É um local  destinado a abrigar pesquisadores, mas possui infraestrutura para receber turistas também, principalmente observadores de aves. 

No local são desenvolvidos projetos de Sequestro de Carbono que visam à conservação ambiental da região e do planeta. Inaugurado em agosto de 1999, o local é gerenciado pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) e pelo Instituto Ecológica.

O acesso pode ser previamente agendado na coordenação do Centro. O local dispõe de roupa de cama e toalha, sendo necessário levar os próprios alimentos, jogos de talheres, pratos e copos. Os quatro servidores locais podem ser contratados à parte para prestação de serviços de cozinheira, guia para trilhas e também piloteiro do barco. Essa parte ficou por conta do Marcelo organizar. Nem me pergunte o que ele combinou, mas sei que estava tudo perfeito. 

Rio Javaés
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Centro de Pesquisa Canguçu
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Assim que chegamos lá e nos acomodamos adivinha o que fomos fazer? Se disse passarinhar, acertou em cheio. Raimundo montou seu equipamento no deck e começou a testar a luz junto com o Marcelo.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Primeiro exploramos ao redor do Centro onde encontramos algumas espécies bem interessantes, destaque para bacurau-de-cauda-barrada (Nyctiprogne leucopyga), urutau-grande (Nyctibius grandis), chora-chuva-preto (Monasa nigrifrons), ferreirinho-de-cara-parda (Poecilotriccus latirostris) e bico-chato-de-rabo-vermelho (Ramphotrigon ruficauda).

bacurau-de-cauda-barrada, urutau-grande, chora-chuva-preto,
ferreirinho-de-cara-parda e bico-chato-de-rabo-vermelho
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Depois, tendo como piloteiro o Sr. Roberto, do Centro de Pesquisas Canguçu, saímos navegar pelo Rio Javaés. Essas saídas foram para mim o ponto alto dessa expedição.

Vimos muitas, mas muitas espécies legais, com destaque para duas delas: o curutié-do-araguaia (espécie ainda não descrita) Certhiaxis [undescribed form] - que aguarda o ornitólogo Dante Buzetti concluir o trabalho sobre sua existência como espécie e um híbrido de cardeais - red-capped x crimson-fronted cardinal (hybrid) - Paroaria gularis x baeri. Isso tudo segundo informações do Marcelo, que tem esperanças que o curutié passe a se chamar curutié-do-cantão, em homenagem ao lugar onde ele foi encontrado.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

As listas de todas as aves com fotos, você acessa pelos links que deixo ao final de cada dia relatado. 

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Mas para mim o maior momento foi quando Marcelo nos apontou uma lindíssima garça-da-mata (Agamia agami). Sabe quando você consegue fazer a foto dos seus sonhos? Acho que a foto da gente no barco feita pelo Marcelo resume tudo. Repara na minha carinha logo depois de produzir dezenas de fotos da bela. 

garça-da-mata (Agamia agami)
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

o momento do registo e o logo após
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

E com o dia terminando com um lindo pôr-do-sol que eu adoro (quem não?), retornamos ao Centro, jantamos e fomos brindar sentados na varanda, batendo altos papos recheados de muitas histórias.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares


Confira as listas do dia no eBird

Qui 8 ago 2019 - 14:36h - Centro de Pesquisas Canguçu
https://ebird.org/checklist/S58964303

Qui 8 ago 2019 - 15:57h - Rio Javaés
https://ebird.org/checklist/S58964337


09 ago 2019 - Sexta-feira


Acordamos animados pra ver quais aves iriam dar o ar da graça. Quando íamos pegar o carro para dar uma volta, um sanhaçu-do-coqueiro (Tangara palmarum) se empoleirou no retrovisor e deu seu recado: ou vocês me fotografam ou vou fazer uma bela cagada no seu retrovisor. O jeito foi fotografar, né? kkkkkkk Mas eu juro que não fui eu nem ele quem trincou o vidro do carro. Ainda bem que a rachadura não foi aumentando com o passar dos dias. O círculo feito com batom em volta foi a prova disso.  

sanhaçu-do-coqueiro (Tangara palmarum)
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Rodamos por perto, parando em alguns pontos em busca de penosinhos. Num desses momentos aproveitamos pra fazer a tradicional "selfie" do grupo. O Marcelo, atendendo a um pedido meu, parou bem pertinho da placa do Centro.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Eu e Marcelo by Raimundo Carvalho

Raimundo e Marcelo 
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Conseguimos ver e fotografar uns bichinhos muito bacanas, com destaque para o chororó-de-goiás (Cercomacra ferdinandi), sebinho-rajado-amarelo (Hemitriccus striaticollis) bacurau-de-cauda-barrada (Nyctiprogne leucopyga) e picapauzinho-avermelhado (Veniliornis affinis).

chororó-de-goiás,  sebinho-rajado-amarelo, bacurau-de-cauda-barrada e picapauzinho-avermelhado
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Seguimos até um local que seria promissor para encontrar aves se não tivesse reservado e servindo para o pessoal da prefeitura fazer piquinique. Aproveitei para bater um papo com "as autoridades" presentes. Eles ficaram encantados em saber o que eu tinha vindo fazer ali. Acabei dando uma aula sobre a nossa atividade: a observação de aves

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

O jeito foi voltar para a sede, perambular um pouquinho ao redor, tomar uma geladinha, almoçar, descansar e aguardar o momento tão esperado para navegar pelo Rio Javaés em busca de mais aves. 

Raimundo buscando encontrar alguma ave com seu inseparável "trambolhão"
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Raimundo, eu e Marcelo
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

A hora mais gostosa era ir para o rio. Nessa tarde, ao chegar no piér havia um jacaré descansando em suas margens. Eu estava numa posição privilegiada e fui clicando seu olho com a tele, enquanto via a gente sendo refletida nele. A princípio ninguém entendeu o que eu estava fazendo e ficaram curiosos. Olha o resultado da brincadeira depois do crop. Com direito à mutuca colorida e tudo mais. kkkkkkkk

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Sem expectativas de novas aves para mim, pedi ao Marcelo para melhorar meu registro do curutié-do-araguaia (espécie não descrita) Certhiaxis [undescribed form]. E lá fomos nós atrás dele. Desta vez ele foi mais bonzinho e permitiu melhor aproximação e fotos mais bonitas.

curutié-do-araguaia
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Antes de retornar à Sede ganhei uma pena e um registro fotográfico do amigo Raimundo que virou foto de perfil por um bom tempo. Tudo bem que a modelo é linda e fotogênica, mas o fotógrafo também tem a manha para clicar outra coisa que não seja passarinho. kkkkkkk

Eu by Raimundo Carvalho

O pôr-do-sol, para variar estava deslumbrante. Mereceu perdermos um tempinho com ele antes de aportarmos. 

O clique do clique do Raimundo
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Eu estava me preparando para "corujar" quando o Marcelo veio me chamar para ver o que tinha no "quintal". Simplesmente havia uma anta pronta para jantar e não era o nosso amigo Raimundo. kkkkkk (brincadeirinha). 

O pessoal costuma dar alimento para ela num balde e ela vem com gosto receber o seu presente. Mas quem ganha presente mesmo é quem tem a oportunidade de apreciar uma cena dessas. E nesse dia fomos nós.

Anta (Tapirus terrestris)
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

E a corujada logo após não decepcionou. Foi difícil mas o resultado foi compensador. A suindara (Tyto furcata) fez um lindo display para nossa alegria. E a coruja-preta (Strix huhula) demorou mas compareceu. Foi a segunda vez na minha vida de fotógrafa de passarinhos que eu pude apreciar essa belezura de Strix

suindara e coruja-preta
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Cansados da longa caminhada noturna, foi só voltar, preparar as coisas para o dia seguinte, cair na cama e apagar. 

Confira as listas do dia no eBird

Sex 9 ago 2019 - 07:24h - Canguçu
https://ebird.org/checklist/S58964376

Sex 9 ago 2019 - 15:47h - Rio Javaés
https://ebird.org/checklist/S58964387

Sex 9 ago 2019 - 16:07h - Rio Javaés
https://ebird.org/checklist/S58964407

Sex 9 ago 2019 - 19:04h - Centro de Pesquisas Canguçu
https://ebird.org/checklist/S58964422


10 ago 2019 - Sábado


Todo passarinheiro sabe que existe um tipo de ave que é um pé no saco para ver, que dirá fotografar. Pertecem à família dos tinamídios. Eu os chamo de "fantasminhas das florestas". 

Ainda bem que tem guia teimoso que cisma que vai nos mostrar e um desses é o Marcelo "Bravo MDMC" Barbosa (Missão Dada, Missão Cumprida). Ele, nesse dia, posicionou a gente para mostrar um lifer para o Raimundo e um melhoraifer para mim. 

Tratava-se do jaó (Crypturellus undulatus), mas eu pedi que fosse foto com florzinhas kkkk e o Marcelo atendeu meu pedido. Ele então nos fez ficar quietinhos aguardando o pequeno tinamídio atravessar a estrada num trecho que estava cheio de flores de ipê-amarelo no chão. 

Bom, lá vamos nós aguardar. E não é que deu certo, tudo bem que o bichinho passou feito uma flecha, mas que deu registro com florzinha deu. Olha só como ficamos felizes.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

jaó (Crypturellus undulatus)
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

O Marcelo propôs um desafio maior ainda. Ele queria que eu fizesse uma nova e difícil espécie dessa família. O Raimundo já tinha fotaça do bicho no Pará. Ele teve muita sorte, pois eu tinha tentado "trucentas" vezes encontrá-lo em outros lugares sem sucesso. 

O Marcelo me acomodou na beira de um laguinho e ia chamar o bicho que iria passar como um fórmula 1 do outro lado da margem.

E eu que me preparasse porque esse era ainda mais tinhoso que o anterior. Ele e Raimundo permaneceram escondidos enquanto eu sozinha permaneci sentada no meu banquinho, coberta com meu echarpe camuflado como se fosse um blind

O tempo foi passando e nada. Quase dormi sentada. De repente um movimento do outro lado, super na brenha. Então fico alerta, torcendo para ele mostrar pelo menos o biquinho. E ele mostrou, mesmo sem o ângulo e a luz desejada. 

Finalmente consegui um registro do inhambu-preto ou inambu-pixuna (Crypturellus cinereus). Confesso que nem acreditei. Só tenho a agradecer aos dois amigos pela paciência e pelo incentivo.

Eu sentada no lado de cá do lago aguardando...
Arquivo pessoal: Marcelo Barbosa

a melhor foto com aumento de 2 pontos de exposição no Lightroom e crop até o talo
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Depois voltamos para o Centro e fomos comemorar com uma caipifruta super caprichada, com direito a florzinha amarela na borda do copo e tudo mais. Marcelo estava tão radiante quanto a gente. Missão dada é missão cumprida. Nunca vou me esquecer disso.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Na parte da tarde, lá fomos nós navegar pelo Rio Javaés novamente. Destaque para o socó-boi (Tigrisoma lineatum), talha-mar (Rynchops niger), pavãozinho-do-pará (Eurypyga helias), pato-do-mato (Cairina moschata), mexeriqueira (Vanellus cayanus), pato-corredor (Oressochen jubatus),  garça-da-mata (Agamia agami), cigana (Opisthocomus hoazin) e martim-pescador-pequeno (Chloroceryle americana), conforme sequência abaixo.

socó-boi, talha-mar, pavãozinho-do-pará, pato-do-mato, mexeriqueira, 
pato-corredor, garça-da-mata, cigana e martim-pescador-pequeno
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

A gente caminhou pelas areias, admirou paisagens, dava para sentir o cheiro da mata, o vento no rosto, o calor do sol e a sintonia da amizade que nos unia nessa aventura. Era muita emoção dentro do coração. 

Eu chamo isso de sentir a vida pulsando por dentro. O mundo parece simplesmente parar. Não sei explicar. Mas eu sinto que minha alma viaja mais do que meu corpo nessas horas. Ela simplesmente transpassa um portal atrás do outro. Ui... filosofei agora! kkkkkkkk

Eu by Raimundo Carvalho, o resto by Silvia
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

E o que não podia faltar? Uma cerveja geladinha para comemorar nosso último dia no Centro. Servida? Tim-tim!!!

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Na volta viemos parando apenas para admirar o pôr-do-sol. No ar um gosto de festa. Quando a tarde chamou a noite para lhe substituir, retornamos ao Centro e fomos arrumar nossas coisas, jantar e dormir, não necessariamente nessa ordem. kkkkkkkk

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Confira as listas do dia no eBird

Sáb 10 ago 2019 - 07:07h - Centro de Pesquisas Canguçu
https://ebird.org/checklist/S58964442

Sáb 10 ago 2019 - 14:35h - Rio Javaés
https://ebird.org/checklist/S58964451


11 ago 2019 - Domingo

Após o café, ainda fizemos umas fotinhas na sede e depois seguimos para nosso próximo destino, parando algumas vezes no caminho nos pontos escolhidos pelo Marcelo para buscar algumas espécies de  passarinhos. 

Marcelo e Raimundo
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Nesse dia ganhei mais um lindo retrato feito pelo meu amigo Raimundo. Cara, não é que essa Nikon dele é tão boa quanto a minha Canon, ou será a modelo que é fotogênica demais? kkkkkk brincadeirinha.

Eu by Raimundo Carvalho

Deixo abaixo alguns registros feitos no parte da manhã saindo do Centro de Pesquisas Canguçu em direção à Lagoa da Confusão. Destaque para marianinha-amarela (Capsiempis flaveola), arapaçu-barrado-do-xingu (Dendrocolaptes retentus), arapaçu-de-bico-comprido (Nasica longirostris), maria-cavaleira-de-rabo-enferrujado (Myiarchus tyrannulus), perdiz (Rhynchotus rufescens), papa-formiga-pardo (Formicivora grisea), xexéu (Cacicus cela), pica-pau-de-garganta-pintada (Piculus laemostictus) e papagaio-galego (Alipiopsitta xanthops).

marianinha-amarela, arapaçu-barrado-do-xingu, arapaçu-de-bico-comprido, 
maria-cavaleira-de-rabo-enferrujado, perdiz, papa-formiga-pardo,
xexéu, pica-pau-de-garganta-pintada e papagaio-galego

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Nosso próximo destino, a Lagoa da Confusão, estava a quase 200 km de onde estávamos. É o portal do Parque Nacional do Araguaia, primeiro parque ambiental a ser criado no Brasil. Possui belezas e ecossistemas incomparáveis envolvendo o ecótono Cerrado, Mata e Pantanal. 

A história de Lagoa da Confusão se iniciou em 1933, com a chegada das primeiras famílias. A primeira visão que elas tiveram foi de uma imensa lagoa azul, protegida por serras e pântanos. A dificuldade que elas enfrentaram para chegar à lagoa gerou muita confusão. Por isso, o nome do povoado e, posteriormente, do município.

Ao chegar no município da Lagoa da Confusão paramos em alguns lugares para registrar algumas aves, com destaque para: anu-coroca (Crotophaga major), saracuruçu (Aramides ypecaha), tijerila (Xenopsaris albinucha), beija-flor-de-garganta-verde (Amazilia fimbriata), coleiro-do-brejo (Sporophila collaris), cardeal-do-araguaia (Paroaria baeri), freirinha (Arundinicola leucocephala), gavião-caboclo (Buteogallus meridionalis) e gavião-pernilongo (Geranospiza caerulescens).

anu-coroca, saracuruçu, tijerila, beija-flor-de-garganta-verde,
coleiro-do-brejo, cardeal-do-araguaia¸ freirinha, gavião-caboclo e gavião-pernilongo
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Finalmente chegamos no nosso destino, a Pousada Praia Alta. Eu estava cansada e com sono igual essa coruja-buraqueira (Athene cunicularia) que cliquei no caminho. Mas mesmo com os olhos cansados não deixei passar uma florzinha nem borboletinha, muito menos florzinha COM borboletinha. kkkkkkk (fotos abaixo).

coruja-buraqueira
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Já super bem instalados na Pousada, fomos para a beira da piscina, com um visual do Rio Formoso ao lado, que escolhendo as fotos para postar, me lembrou muito cenas dos Rest Camping do Kruger na África do Sul (post aqui). Óbvio que não faltou uma cervejinha bem gelada para o brinde.  

Marcelo, eu e Raimundo
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Pouco tempo depois, saímos, sob o comando do Marcelo, para conhecer as matas ao redor da Pousada. Nesse ínterim, a lua, se preparando para ficar cheia, pediu licença ao sol para se mostrar para a gente, nos oferecendo um pouco das suas poderosas energias.
 
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

O sol agradeceu sua presença e logo depois veio se despedir da gente, deixando rastros de luz divina nas águas do Rio Formoso. 

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Aproveitamos para fazer mais algumas fotos a fim de guardar o momento nas lembranças. E não é que a presença do "trambolhão" ajudou na composição dessa linda foto que fiz do Raimundo.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

A gente voltou para a sede da pousada, cujo jantar já estava à mesa nos aguardando. Após a refeição, dei boa noite e fui para o quarto me preparar para dormir. Estava no banho e quando saí, recebo uma mensagem no "grupitcho" da viagem acompanhada de uma foto dos dois moçoilos na piscina e da frase "Cadê a Silvia?"

Foto recebida no grupo

Alguns minutos depois eu já havia retirado o pijama, colocado roupa de banho e me juntado a eles na piscina, onde uma cervejinha gelada me aguardava. Ficamos um bom tempo jogando conversa fora, até que resolvemos que era hora de dormir. Para mim foi o fechamento com chave de ouro da nossa viagem, ou quase, pois ainda tínhamos mais um dia.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Confira as listas do dia no eBird

Dom 11 ago 2019 - 07:39h - Pium/TO
https://ebird.org/checklist/S58964465

Dom 11 ago 2019 - 15:08h - Lagoa da Confusão/TO
https://ebird.org/checklist/S58964553

12 ago 2019 - Segunda-feira


Sem pressa, tomamos o café da manhã e saímos passarinhar. Ficamos a manhã toda sob um calor e sol intensos. À beira de um brejinho cheio de aves, o sol estava tão forte que preferi me sentar à sombra de uma árvore e esperar enquanto os meninos procuravam aves interessantes. Até cheguei a emprestar meu chapéu para o Raimundo. Ficou bem bonitinho e protegido. E em troca eu ganhei mais uma bonita foto feita por ele.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Eu by Raimundo Carvalho

Foram muitas aves nesse dia, apesar do cansaço extremo, físico e mental, agravado pelo calor, eu não pedi arrego. Detaque para o Tucanuçu (Ramphastos toco), cabeça-seca (Mycteria americana), maracanã-de-colar (Primolius auricollis), graveteiro (Phacellodomus ruber), gavião-caramujeiro (Rostrhamus sociabilis), biguatinga (Anhinga anhinga), fogo-apagou (Columbina squammata), carretão (Agelasticus cyanopus) e garça-branca (Ardea alba)

Lembro quando vi esse carretão (Agelasticus cyanopus) de longe e chamei os meninos para ver. Eles ficaram foi tirando onda comigo dizendo que tava cheio de carretão, mas na estrada (de fato, havia muitas carretas grandes passando na estrada perto de onde estávamos) kkkkkk.

Tucanuçu, cabeça-seca, maracanã-de-colar, graveteir, gavião-caramujeiro,
biguatinga, fogo-apagou, carretão e garça-branca
Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Alguém pode me explicar esse garibaldi (Chrysomus ruficapillus) pegando carona no trinta-réis-grande (Phaetusa simplex)? kkkkkkkkk 

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Marcelo tinha que nos levar de volta à Palmas, que ficava distante mais de 200 km dali. Então ele foi tirar um cochilo depois do almoço. E eu, com o cansaço extremo tomando conta de mim, me deixando mais do que acabada, emotiva e cheia de olheiras, sentei com o amigo Raimundo na beira do Rio Formoso e "devassamos" uma geladinha. 

Agradeci emocionada pelo convite e lembro de dizer que um dia eu iria retribuir o generoso convite. Eis que isso aconteceu exatamente um ano depois e em plena pandemia (leia mais clicando aqui).

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Pouco tempo depois, Marcelo acordou e nos chamou para pegarmos estrada. Nos despedimos do proprietário Eduardo Bernardon que tão bem nos recebeu e seguimos rumo à Palmas. 

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Confira a lista do dia no eBird
Seg 12 ago 2019 - 07:17h - Lagoa da Confusão/TO
https://ebird.org/checklist/S58964580

Desta vez, Raimundo veio no banco de trás e dormiu durante o retorno todo. Eu vim conversando com o Marcelo, trocando ideias sobre a vida e sobre o mundo real, uma vez que nosso mundo de passarinhos me lembra mais um conto de fadas.

Arquivo pessoal: Silvia Faustino Linhares

Chegamos no início da noite, lanchamos perto do hotel e em seguida nos despedimos. Parte dolorosa de uma viagem. O Marcelo ainda iria vir me buscar de madrugada para levar ao aeroporto. Raimundo partiria para Carajás ao amanhecer. 

13 ago 2019 - terça-feira

Às 6.20h Raimundo saiu para Carajás enquanto eu fazia conexão em Brasília na mesma hora.

descendo em Brasília para conexão

Depois da "longa" espera pela conexão, às 9:00h eu pegava um Uber para casa, já sentindo falta dos meninos, do Canguçu e do calorzinho gostoso do rio Javaés. São Paulo como sempre, gelada - 16 graus com sensação de 14. Levei  uma hora e vinte de Brasília à São Paulo, de avião e uma hora de Uber do aeroporto de Congonhas até minha casa em virtude dos incessantes congestionamentos e trânsito excessivamente lento no horário.

quando eu sei que cheguei em casa

Conclusão

Viajar me fascina desde que me conheço por gente. E descobri que minhas amadas aves são a desculpa perfeita para por o pé na estrada na minha atual fase de vida. É um jeito de tornar a vida mais cor-de-rosa.

A ida é sempre puro êxtase e expectativa, a volta geralmente me deixa melancólica e pensativa. Sei que a vida é um enigma e o divino universo tem suas tramas e estradas traçadas para a gente, embora não saibamos quais. Mas são essas aventuras e o sair da mesmice dos dias iguais é que me movem e me dão ânimo para continuar. A pandemia só interrompeu um pouco esse ciclo, mas espero em breve recomeçar. 

E que venham os pássaros, suas cores, muitas flores e novos amores. 

Orquídea clicada na Pousada Praia Alta no dia da partida

No dia que cheguei em casa dessa viagem ao Tocantins, sabia que em breve estaria de novo voando para o norte do Brasil. A Amazônia e mais algumas aventuras me aguardavam. Esse provavelmente será o próximo post. Já está entrando no "forninho".

Muita gente me pergunta como lembro tantos pormenores de uma expedição depois de passado algum tempo. É lógico que muitos detalhes vão sumindo, porém, os momentos principais e que me marcaram ficam profundamente enraizados na mente e no coração. 

E a partir desses registros e das fotos com GPS e listas no eBird que produzi in loco não fica muito difícil montar um post passado algum tempo. O bom é que a gente só lembra das coisas boas. As dores nos pés, o cansaço, o estresse emocional que pode ter surgido num momento ou outro e as dores do coração vão pra longe e caem no buraco negro do esquecimento. Simples assim.

Se você chegou até aqui no final dessa postagem, só posso te agradecer "o sacrifício" e pedir para deixar um comentário aqui no bloguinho (lembre-se que é melhor estar logado no Google para isso). Eu vou ficar muito, mas muito feliz mesmo.

E por fim, deixo um vídeo preparado com muito esmero pelo Marcelo Barbosa, resumindo um pouco da nossa expedição.



👄💗💗💗👄

*
*
*

13 comentários:

  1. Que aventura, hein Silvia! Demais!!!

    ResponderExcluir
  2. antonio carlos villas boas16 de agosto de 2021 07:36

    Que bela aventura. Demais!!

    ResponderExcluir
  3. É muito bom rever a nossa maravilhosa experiência juntos com o amigo Marcelo Barbosa que proporcionou inúmeros registros de espécies belíssimas. Parabéns pela a rica descrição dos detalhes e que permite a gente viver tudo novamente, melhor só indo lá novamente... rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido Raimundo, eu adorei o seu comentário. Tem razão, melhor só indo de novo. Grande abraço.

      Excluir
  4. Passarinhada fantástica hein! Lifers, bicho difícil, cervejinha, amigos... tudo que precisamos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ney, meu amigo, o Tocantins é maravilhoso. A Linda vai adorar a Pousada em Lagoa da Confusão e vc, os passarinhos do Estado inteiro. kkkkkkkkkk

      Excluir
  5. Nossa! Que viagem e que quantos relatos e registros importantes. Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada minha amiga. Fiquei super feliz com seu comentário.

      Excluir
    2. "... Tudo em mim é diferente na luz da lua crescente,
      Mas nada me cerceia quando a lua está cheia. "
      Parabéns! Adorei! Realmente a Lua Cheia é algo que entra em nossa alma.


      Silvia, já falei diversas vezes que sou seu fã, pois escreve muito compartilhando todo o seu vasto conhecimento.
      Você como sempre, fotografa tudo que rasteja, anda e voa, não se esquecendo das flores, assim vi fotos maravilhosas de orquídea, veado campeiro, serpente boipeva-de-Merrem, borboleta, garça-da-mata, curió, etc, etc, etc...

      Aquela foto de vocês espelhados no olho do jacaré ficou sublime, parabéns!

      Eu participo de um projeto no Parque Estadual Paulo Cesar Vinha, Guarapari-ES em que é premissa número 1 o georreferenciamento das fotos e você cita que faz suas fotos com GPS, parabéns!

      E prá finalizar, sua foto com a pena na cabeça ficou super chique, parabéns!

      Abraços capixabas de Tio Hilton

      Excluir
  6. Um texto muito gostoso de ler. Sempre viajo junto com você, curtindo os penados, os lugares, as pessoas......quanta beleza. Uma expedição cheia de aventuras, muito calor, cerveja gelada e excelentes companhias. Obrigada por compartilhar tanta aventura, com um texto cheio de beleza e adrenalina🤩🤩🤩🤩

    ResponderExcluir
  7. Nossssaaaaaaaa !!!!!!!! Que show de viagem, e além de tudo em ótima companhia, o Carvalho é super parceiro, parabéns Silvia !

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar meu Bloguinho!